Para grande desgosto das empresas tradicionais de relações públicas, a prática de relações públicas está mudando mais rapidamente do que a maioria das empresas consegue acompanhar. Se a imagem à esquerda lembra remotamente como você se sente quando interage com sua empresa de relações públicas, então é hora de repensar as coisas... As empresas tradicionais que definem sua prática escrevendo comunicados à imprensa e conduzindo discursos de mídia estão vendo clientes pular do navio mais rápido do que os políticos podem jogar lama. As empresas de relações públicas que “entenderam” superaram as agências de publicidade que se deslocaram para a vanguarda construção de marca, marketing digital, marketing de mídia social, gerenciamento de reputação e influência mascate. No post de hoje, compartilho meus pensamentos sobre a mudança do cenário das relações públicas…

Na economia global ultracompetitiva de hoje, a batalha para conquistar os corações e mentes de públicos muito amplos e diversificados nunca foi tão crítica ou desafiadora. Clientes corporativos experientes não estão mais se contentando com relações públicas da velha escola e exigiram que tanto a estratégia quanto as táticas de relações públicas evoluam para atender à fluidez das demandas do mercado. As relações públicas não são mais sobre estagiários de agências e funcionários de trinta e poucos anos lançando uma ideia de história ou tentando agendar uma palestra. Em vez disso, o PR bem feito tem tudo a ver com uma nova geração de agentes de influência que alavancam relacionamentos para abrir portas e mercados, criar um burburinho em todas as mídias e geografias, que protegem e gerenciam cuidadosamente reputações e que constroem marcas pessoais e corporativas dominantes.

Uma boa iniciativa de relações públicas no mundo de hoje transcende as relações com a mídia... Ela permite a realização dos objetivos de negócios do cliente por meio de quaisquer meios éticos necessários para realizar o trabalho, ao mesmo tempo em que aumenta o valor da marca no processo. Se sua empresa de relações públicas não pode romper barreiras políticas por meio de esforços de lobby, ajudar a facilitar joint ventures e parcerias estratégicas, gerenciar reputações pessoais ou corporativas online e construir uma marca dominante, então você tem a agência errada no retentor.

Sempre me surpreendo com os orçamentos substanciais que as empresas gastam com empresas de relações públicas que não apenas falham em entregar, mas que na verdade mancham a marca de seus clientes. O mercado está repleto de exemplos recentes de esforços incipientes por parte de empresas de relações públicas de marcas famosas que falharam em iniciativas de blogs, administraram mal acrobacias publicitárias, ultrapassaram limites éticos e colocaram seus clientes em situações insustentáveis. O ponto principal é que, quando se trata de proteger e promover sua marca por meio da criação e execução de oportunidades de negócios sólidas, não compre apenas um argumento de uma agência antiga que não provou que fez a transição de sua prática para o realidades do atual clima de negócios.

Em última análise, quando se trata de selecionar uma empresa de relações públicas, não compre um pitch, seja vendido em uma marca, ou mesmo nas marcas que uma agência representou no passado. Em vez disso, olhe para o crescimento recente da agência enquanto considera quem você deseja como parceiro de negócios estratégico, quem entende seus objetivos de negócios e quem pode entregar os resultados…