Os melhores líderes sempre têm um plano de backup, então minha pergunta para você é: qual é o seu plano B?

Minha experiência com a maioria dos executivos e empreendedores é que eles estão totalmente comprometidos e focados no sucesso. Como resultado, muitos deles tendem a ter um grande ponto cego (tradução: fraqueza) quando se trata de antecipação de contratempos. Embora isso seja compreensível, não deixa de ser ingénuo, e constitui uma falha importante na lógica de negócios da maioria dos planos estratégicos. Tanto é assim que o aspecto mais frequentemente negligenciado do planejamento estratégico é abordar adequadamente as contingências como parte do processo de planejamento.

No texto a seguir, vou dar uma olhada mais de perto no valor do planejamento de contingência…

A realidade que envolve o sucesso de qualquer implementação é encontrada na compreensão de que não importa quão inteligente você é, as coisas raramente saem como planejado. Aqueles que planejam com antecedência as mudanças nas circunstâncias podem lidar habilmente com os problemas quando eles ocorrem, enquanto aqueles que devem lidar com “imprevisto” as circunstâncias não tendem a se sair tão bem. Líderes inteligentes veem os obstáculos como uma constante em vez de uma variável e incorporam esse pensamento em seu planejamento. Qualquer estratégia bem elaborada antecipa obstáculos e fatores em múltiplas “e se” cenários. Líderes que esperam até que um problema ocorra para lidar com ele colocam a si mesmos e sua organização em uma enorme desvantagem estratégica.

Os três resultados mais comuns criados pela falta de planejamento de contingência são:

  1. Observar as coisas pararem enquanto você se esforça para avaliar as opções;
  2. Ter menos opções para avaliar com base na nova restrição de tempo encontrada e;
  3. Levando adiante iniciativas imperfeitas. Líderes sem um Plano B às vezes podem se recusar a reconhecer a realidade de uma iniciativa fracassada.

Um dos exercícios que eu gosto de fazer os clientes para ajudar a identificar áreas de risco é um pré-mortem – o hipotético oposto de um post-mortem. Se você antecipar o que pode matar um plano antes de embarcar no plano, é muito mais provável que você tenha sucesso em refinar e executar o plano. A velocidade é sua amiga e deve ser aproveitada a seu favor. A velocidade é auxiliada pela antecipação e retardada pela falta dela. Líderes inteligentes farão tudo o que estiver ao seu alcance para evitar que uma diminuição na velocidade se torne um adversário autoimposto devido à falta de planejamento de contingência.

É importante lembrar que o planejamento de contingência é a chave para evitar erros dispendiosos. Na maioria dos casos, suas vitórias não o tirarão do negócio, mas suas perdas certamente podem. Os três itens mais críticos para focar ao realizar seu planejamento são:

  1. Certifique-se de que a responsabilidade pessoal esteja presente em qualquer referência importante, marco ou entrega.
  2. Certifique-se de que alguém identificou as 5 piores coisas que podem acontecer com qualquer iniciativa, quais medidas podem ser tomadas para evitar sua ocorrência e quais medidas serão tomadas para superá-las se acontecerem?
  3. Certifique-se de que os sinais de alerta antecipados para possíveis falhas sejam identificados e compreendidos para que você tenha bastante pista à sua frente para implementar seus planos de contingência.

Minha sugestão final é que você reserve um tempo para revisar todos os planos de missão crítica para garantir que os planos de contingência adequados tenham sido implementados. Se você encontrar uma iniciativa falha ou fracassada, não deixe que seu orgulho ou ego o impeça de fazer a coisa certa. Líderes Inteligentes sabem quando cortar suas perdas e fazer as mudanças necessárias ou necessárias.

Barra Lateral: Este post foi inspirado em uma conversa que tive com Mark Oakes (@MarkOOakes) sobre a origem histórica do termo “Plano B”. Conforme contado por Mark, a história é assim: Baron Von Bismark foi encarregado de unificar os poderes do eixo na Primeira Guerra Mundial. Ele teve seus auxiliares trabalhando por meses preparando o plano de unificação perfeito. Após a conclusão, eles queriam colocá-lo imediatamente em ação. Bismark disse: "NÃO... prepare um segundo plano caso o primeiro não funcione." Tornou-se conhecido como 'Plano B' (B)ismark Plano = Plano 'B'