Tive o privilégio de falar no Conferência de Engajamento de Funcionários da África 2019 e tive a oportunidade de sentar e discutir Liderança com uma das figuras públicas mais respeitadas da África do Sul, o Comissário da Receita da África do Sul, o honorável Edward Kieswetter.

À medida que discutimos as várias questões de envolvimento dos funcionários, continuamos a voltar ao tema da liderança. Ambos concordamos que, embora o conceito de liderança seja relativamente simples, não é apenas o ato de ser um líder, mas Como as você lidera isso é essencial.

Resumo da entrevista

JH: Quais são seus pensamentos sobre liderança em geral e por que você acha que esse é um desafio contínuo globalmente para acertar?

EK: “Temos que reconhecer que estamos em uma crise de liderança não apenas na África do Sul, mas globalmente, onde encontramos a nível político, civil e empresarial, parece haver um tremendo vazio de liderança. De alguma forma, perdemos a essência do que significa liderar, que, a propósito, é, em última análise, servir. E com a palavra servir, desejo esclarecer que não se trata de servir a si mesmo, mas servir aos outros e servir a uma causa maior.

Do ponto de vista da liderança, acredito que os líderes devem levar seu trabalho a sério, em vez de se levarem a sério. Precisamos considerar a liderança como um privilégio desordenado e nunca abordá-la com um senso de direito. Com essa deficiência de liderança ao nosso redor, apoiamos totalmente aqueles que têm o privilégio de liderar. É mais sobre o impacto que seu trabalho de liderança terá sobre os outros, do que os benefícios que eles podem obter dele. Porque muitas vezes são esses benefícios de curto prazo, são essas buscas de interesse próprio estreito que destroem a orientação de propósito mais elevado que a liderança deve servir.”

JH: Se você pudesse condensar essa perspectiva ainda mais. A sensação que extraio de você é que você acredita na liderança servidora. É essa a sua crença, e como você a descreveria melhor?

EK: eu gosto de chamar mordomia porque uma mentalidade de mordomo existe de várias maneiras particulares…

  • Em primeiro lugar, uma mentalidade de mordomo entende que ele ou ela mantém em confiança o que pertence a outro, e não o contrário.
  • Em segundo lugar, uma mentalidade de mordomo é servir à causa maior, e não ao interesse próprio estreito. Jim Collins chamaria isso de ambição, mas não para si mesmo, mas para um propósito. Nelson Mandela e muitos outros demonstraram o poder de alcançar uma mentalidade de liderança de servo e mordomo.
  • Em terceiro lugar, acredito que, embora entendam que aquilo que têm o privilégio de liderar e de ter mordomia, não é deles, mas devem cuidar disso como se fosse.
  • Por fim, a liderança de mordomo é o desejo intenso de dar ou repassar mais valor do que você herdou.

O Comissário Kieswetter acertou em cheio! Não apenas precisamos reconhecer que os líderes têm grande responsabilidade consigo mesmos, mas também com os outros. Como líder, precisamos nos lembrar do minuto em que você sobe a escada do sucesso; você deve se virar e começar a ajudar os outros nessa jornada também. 

 Principais lições de liderança:

  1. Não se trata de servir a si mesmo, mas servir aos outros e a uma causa maior.
  2. Precisamos considerar a liderança como um privilégio desordenado e nunca abordá-la com um senso de direito.
  3. Confiar.
  4. Mantenha um desejo intenso de dar ou repassar mais valor do que você herdou.

Plano de Ação do Líder:

  1. É tudo uma questão de AÇÃO. Como líder, você precisa realmente desempenhar as características de um líder mordomo. Seja sincero e genuíno, ou nunca funcionará.
  2. Encontre uma pessoa em sua esfera de influência e dê a ela um poder que ela nunca teria antes. Observe os resultados e repita com os outros à medida que se torna confiante em deixar ir. 

Quais são seus pensamentos sobre o uso do termo liderança de mordomo e a percepção de deficiência de liderança? Poste seus comentários abaixo e vamos começar a construir uma tribo de pessoas que têm paixão por seguidores, orientação e liderança!