Você é uma pessoa íntegra? Provavelmente, você e todos que estão lendo este artigo responderão afirmativamente. Isso introduz um enorme ponto cego que temos em nossas vidas e organizações: auto-engano – como nenhum de nós pode dizer que temos total integridade.

Então, primeiro, como definimos integridade?

O Webster's New World Dictionary dá duas definições de “integridade”: a primeira é a qualidade ou estado de ser completo ou inteiro; a segunda é ser de princípios morais sólidos.

A maioria de nós o define como o último – isto é, sendo de princípios morais sólidos, vendo-o como uma virtude ou força de caráter. Por exemplo, em 2012 estudar da Força de Caráter dos Líderes da CCL, descobriu-se que a integridade era o fator mais importante para o desempenho executivo de alto nível, seguido de perto pela bravura.

Gostaria de sugerir que a primeira definição de Webster é mais útil ao aplicá-la ao desempenho do funcionário dentro de uma organização porque, enquanto a última definição – ou seja, princípio moral, é um termo nebuloso que nem sempre é preto e branco; ao contrário, o primeiro, um estado de ser completo ou inteiro, permite características identificáveis específicas, que podem ser medidas.

Deixe-me ilustrar ainda mais isso usando uma analogia de roda de bicicleta. A roda está inteira e completa, no entanto, se você remover os raios, danificar o aro ou furar o pneu, ela não estará totalmente inteira e completa. A integridade é diminuída.

Portanto, para que uma pessoa ou organização tenha integridade, nossa palavra deve ser íntegra e completa, pois tudo em nossa vida é construído em linguagem.

Fernando Flores teoriza que as organizações consistem em redes de transações humanas. Ele descreve como esses "atos de fala" (pedidos, promessas, ofertas, declarações e compromissos de ação) servem como blocos de construção para ativar compromissos nas organizações e formam a base para melhorar atuação.

No entanto, uma das maiores barreiras para manter a integridade é o autoengano, diz o Prof. Michael C. Jensen (Harvard Business School) em seu Palestra UBC. As pessoas, em sua maioria, não sabem que não cumpriram sua palavra. Na verdade, nós nos enganamos. Chris Argyris conclui: “Simplificando, as pessoas agem consistentemente de forma inconsistente; inconscientes da contradição entre a teoria adotada e a teoria em uso, a maneira como pensam que estão agindo e a maneira como realmente agem”.

O resultado final é que quando você não faz o que diz que fará, ou quando os outros têm expectativas pouco claras sobre o que você fará, isso resultará em decepção, falta de engajamento e confiança e integridade comprometida. Isso terá um efeito negativo sobre o desempenho organizacional.

Aqui estão quatro coisas que você pode fazer para construir integridade pessoal e organizacional.

  1. Comece mantendo sua palavra para si mesmo
  2. Lidere pelo exemplo e mantenha sua palavra para os outros
  3. Quando você não for capaz de manter sua palavra (ou mantê-la no prazo), avise a todos imediatamente e limpe a bagunça que isso causa
  4. Comprometer-se a construir e manter a integridade como um valor organizacional vivido

A integridade é uma escada que você continua subindo.

Ser uma pessoa de integridade honrando sua palavra é a marca de um líder extraordinário.

Pensamentos?