Você trabalha em um ambiente que promove a liderança em todos os níveis ou apenas no topo do organograma? Você pode castigar as pessoas por tentarem liderar ou incentivá-las a correr riscos, explorar oportunidades e fazer decisões. Se você deseja criar um cultura de liderança, você deve ter sucesso na criação da onipresença da liderança.

Já escrevi muitas vezes sobre o valor de criar uma cultura de liderança, mas continuo me surpreendendo com quantas organizações simplesmente não conseguem entender a impossibilidade de criar tal cultura quando as pessoas são constantemente informadas de que não são líderes. As organizações construídas com base em seguidores fracos e dependentes não são tão vibrantes ou sustentáveis quanto aquelas projetadas por meio dos esforços colaborativos de fortes líderes independentes.

Se você tirar uma coisa da coluna de hoje, que seja esta: liderança que não é transferível, repetível, escalável e sustentável não é realmente liderança. Nem todos podem ser o CEO, mas todos podem liderar. Lembre-se disso: se você acredita que não é um líder, não se surpreenda quando os outros começarem a concordar com você.

Na dúvida, pense em ubiquidade, não em escassez. A liderança não é, ou pelo menos não deveria ser, um bem escasso. Muitas empresas tratam erroneamente a liderança como um papel esotérico reservado a poucos privilegiados. No entanto, as organizações saudáveis percebem que a liderança deve ser uma qualidade onipresente que permeia todos os aspectos das operações do dia-a-dia. Eles entendem que cada pessoa deve liderar; mesmo que as pessoas sejam responsáveis apenas por liderar a si mesmas, elas devem liderar.

O problema com o que defendi até agora está na realidade de como a sociedade mudou nossa percepção de liderança ao longo dos anos. A devolução da liderança como prática ocorreu como resultado de dois itens principais: 1.) A abdicação da responsabilidade pessoal e responsabilidade por muitos na força de trabalho, e; 2.) O sequestro de autoridade e controle por aqueles que valorizam a autopromoção e o poder sobre a liderança real.

Qualquer indivíduo que seja responsável por qualquer pessoa, aspecto, função ou tarefa dentro de uma organização é de fato um líder. Você pode não estar no comando, mas se seus esforços diretos ou indiretos influenciarem os outros, você está de fato liderando. Quanto mais alto no organograma você reside, mais dependente você é da capacidade de liderança daqueles que você lidera. Qualquer pessoa que ofereça conselhos, pensamento criativo, sugestões ou feedback está ajudando a moldar as percepções dos líderes seniores – eles também funcionam como líderes.

Quando deixamos de aceitar nossa responsabilidade como colegas de trabalho e cidadãos, quando tão facilmente cedemos nossa autoridade aos outros, não apenas deixamos de liderar – nos sentenciamos a uma vida de potencial desperdiçado. Tenha em mente; as pessoas com maior autoridade formal não necessariamente possuem ou exercem o maior influência.

Se você acha que não é um líder, não se surpreenda quando os outros começarem a acreditar em você. A realidade é que a única pessoa que pode tirá-lo da liderança é você. Os melhores líderes não apenas lideram bem a si mesmos, mas também desenvolvem outros para se tornarem líderes altamente qualificados. Eles não se sentem ameaçados pelo sucesso dos outros, mas sentem grande satisfação com isso.

Pensamentos?