Muito tem sido escrito sobre a importância da inovação, mas há muito pouca informação em circulação sobre como realmente estimular a inovação. Enquanto a maioria executivos e empresários Embora tenham aceitado o conceito de gestão da inovação como uma prática comercial legítima, em teoria, encontrei muito poucas organizações que integraram efetivamente a inovação como disciplina central e área de foco. Na postagem do blog de hoje, discutirei como realmente implementar um programa para estimular e gerenciar a inovação.

Antes de abordar como criar inovação, se você precisar de um curso de atualização sobre a necessidade de inovação, você pode obter uma rápida revisão lendo “ROI reexaminado" e "Colabore, inove e domine.” Embora o velho ditado “se não está quebrado, não conserte” seja uma ótima frase de efeito, ele pode causar danos irreparáveis à capacidade de uma empresa permanecer competitiva se adotado como filosofia operacional. É a capacidade de uma empresa de usar a inovação para criar, refinar, aprimorar, otimizar e avançar em todas as áreas da cadeia de valor que catalisarão o crescimento sustentável.

Embora sempre haja espaço para uma grande ideia criada por meio de inovação espontânea, essa abordagem aleatória da inovação raramente funciona. A inovação espontânea (o que eu gosto de chamar de inovação por padrão) é, na melhor das hipóteses, um caminho muito indisciplinado e muito caro para mudar. Por outro lado, a inovação de alta velocidade (o que gosto de chamar de inovação por design) ocorre quando apoiada por um processo sólido e gerenciada como um ativo.

Desde o final do século XIX, os arquitetos contam com o processo de gestão da inovação pioneiro dos franceses, conhecido como “design charrette”, para criar soluções otimizadas e de alto valor para problemas de projeto. Os charrettes de design consistem em uma abordagem multidisciplinar muito intensa para uma sessão de brainstorming em que as questões de design são avaliadas, analisadas, debatidas, conceituadas, aprimoradas, projetadas e planejadas. É por meio desse processo que muitos dos feitos arquitetônicos mais incríveis do mundo foram realizados.

Assim como o uso de charrettes de design pelo arquiteto, os executivos operacionais precisam adotar um processo para estimular, gerenciar e implementar a inovação. As etapas a seguir descrevem um processo simples que qualquer empresa pode usar para alavancar efetivamente a inovação:

  1. Definição de problemas e identificação de oportunidades: Usando a visão, missão e estratégia da empresa como base liderança executiva precisa identificar os principais problemas, barreiras ou obstáculos significativos, áreas críticas de risco, bem como as principais oportunidades para as quais as soluções precisam ser desenvolvidas.
  2. Desenvolver equipes de inovação de alta velocidade: Com base nas avaliações e objetivos identificados durante a etapa um descrita acima, os executivos precisam criar equipes de inovação compostas pela combinação certa de conjuntos de habilidades, competências e talentos e encarregá-las do desenvolvimento de recomendações de inovação. Essas equipes precisam ser compostas por cérebros esquerdo e direito, novos funcionários que não foram preconceituosos e veteranos experientes, bem como introvertidos e extrovertidos. Cada equipe deve ter um líder designado na forma de um campeão de inovação, com todos os outros membros da equipe sendo iguais, independentemente de seus títulos e posições.
  3. Relatórios de inovação: Cada equipe de inovação deve ser incumbida da responsabilidade de criar um relatório de inovação por escrito em um determinado período de tempo. O relatório de inovação deve fornecer à equipe executiva da empresa recomendações estratégicas definidas para atingir os objetivos declarados.

Simplesmente seguir as três etapas descritas acima concentrará seu melhor talento na solução de seus problemas mais críticos e na exploração de suas maiores oportunidades. A inovação deve ser conduzida tanto de cima para baixo quanto de baixo para cima. A liderança sênior deve tornar a inovação uma prioridade claramente comunicada e, em seguida, apoiar a mensagem criando processos, alocando orçamento, adicionando pessoal, reorientando prioridades, fazendo alterações nas descrições de cargos e planos de compensação de reengenharia. Esse tipo de compromisso mostrará à gerência e à equipe que a liderança leva a sério a inovação e incentivará a participação em todos os níveis da empresa.